Copa inaugura nova fase no turismo brasileiro

Em debate com representantes do Conselho Nacional de Turismo, ministro sugere parceria com o setor privado, ampliação dos investimentos e foco nas necessidades do turista. O objetivo é ampliar a relevância do setor na economia do país

O ministro do Turismo, Vinicius Lages, afirmou nesta segunda-feira (9), ao abrir a 43ª reunião do Conselho Nacional de Turismo (CNT), que a Copa Mundo vai marcar o fim de um ciclo do turismo brasileiro, iniciado em 2003 com a criação do MTur. Segundo ele, o período pós-evento será de construção de uma agenda com foco em ampliar a participação do setor na economia nacional.

“Temos indicativos de que o atual modelo apresenta limites e um diagnóstico claro de que o turismo pode ter um crescimento muito maior do que o experimentado nas últimas décadas, da mesma forma que a agricultura brasileira, se um ambiente favorável for estabelecido”, afirmou o ministro para os membros do CNT, instância que, segundo ele, é fundamental neste processo de “aceleração do crescimento do turismo”. 

Na avaliação do ministro é preciso remover um conjunto de “amarras e entraves” que impedem que o setor tenha um crescimento à altura de seu potencial. A nova agenda para o turismo, que terá algumas ações já implementadas no segundo semestre, tem foco, segundo Lages, na ampliação dos investimentos, no atendimento às necessidades do turista, na maior interação do MTur com os operadores do mercado, no aprendizado com as experiências da Copa do Mundo, entre outros. 

Algumas das diretrizes de curto prazo para a implementação deste “novo ciclo” estão estabelecidas no PNT em Ação, desdobramento do Plano Nacional do Turismo 2013/16, apresentado durante a reunião do colegiado. O plano destaca alguns setores prioritários, como parques nacionais e temáticos, litorais e orlas, além de cidades históricas. 

O secretário executivo do CNT, Vinicius Lummertz, titular da Secretaria Nacional de Políticas de Turismo, disse que o objetivo desta nova fase do MTur e da Embratur é fazer com que o turismo assuma liderança na economia nacional. Um dos primeiros passos na implementação do PNT em Ação, conta o secretário, será de adequação do arcabouço jurídico, incluindo a revisão da Lei Geral do Turismo. 

Nesta primeira reunião do CNT, presidida pelo ministro Vinicius Lages, a tônica foi a defesa da cooperação entre o público e o privado.  Neste cenário, as Câmaras Temáticas do CNT serão os principais fóruns de “reflexão e negociação” para definição de políticas e investimentos do MTur. 

Os secretários executivo, Alberto Dias, e de Programas de Desenvolvimento do Turismo, Neusvaldo Ferreira Lima, também participaram pela primeira vez da reunião, depois de assumirem os novos postos. Em breve pronunciamento, o secretário executivo defendeu a maior interação entre o público e o privado na formulação de políticas públicas para o setor e avaliou que o setor “tem tudo para se tornar um dos principais vetores de desenvolvimento do país”. 

Já o secretário Neusvaldo Lima, responsável pela área que cuida dos investimentos em obras de infraestrutura turística em todo o Brasil, ressaltou a importância da Copa do Mundo para o país e para o turismo. “Estamos engajados nesse processo que representa um momento histórico para o país e para o turismo brasileiro”. 

O presidente da Embratur, Vicente Neto, fez um balanço das atividades do órgão e do reforço nas atividades de promoção do Brasil no exterior em função da Copa do Mundo. “Com a classificação dos países, fomos intensificando as ações promocionais nos mercados prioritários”, disse. Vicente Neto também destacou a importância de reativar os Escritórios Brasileiros de Turismo (EBTs), que hoje estão em 11 países. 

Compuseram a Mesa do CNT, além do ministro, dos secretários e do presidente da Embratur, o empresário Guilherme Paulus, indicação da presidência da República no CNT, e o vice-presidente do Fórum Nacional dos Secretários e Dirigentes Estaduais de Turismo (Fornatur), Cláudio Magnavita.

*Fonte: http://www.turismo.gov.br/turismo/noticias/todas_noticias/20140610.html

Copa: guia eletrônico sugere destinos sustentáveis

Passaporte Verde indica destinos próximos às cidades-sede que valorizam a cultura local e adotam práticas de consumo consciente

Os turistas que estiverem nas cidades-sede da Copa podem aproveitar a estadia para conhecer atrativos turísticos que respeitam o Meio Ambiente e valorizam a cultura regional, a poucos quilômetros das doze capitais do torneio. Os roteiros constam no guia Passaporte Verde, que ainda traz dicas sobre como para planejar uma viagem sem excessos, valoriza experiências culturais, empreendimentos engajados com a natureza. O guia é uma parceria do MTur com o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) e o Ministério do Meio Ambiente.

 

Entre as sugestões de destinos do Passaporte Verde está a Ilha do Mel, localizada a 130 quilômetros de Curitiba (PR). O passeio, com duração mínima de dois dias, coloca o turista em contato com a natureza preservada, a gastronomia local e os nativos. Entre os dias 20 a 30 de junho acontece a tradicional Festa da Tainha, um evento comunitário em que a Tainha, peixe típico do local, aparece nas principais experiências culinárias, assado ou frito, na folha de bananeira.

Na própria cidade-sede de Natal, há um amplo mercado de artesanato. Lá está o maior shopping de artesanato do Nordeste, com mais de 300 lojas, com objetos confeccionados com materiais recicláveis.

O portal do Passaporte Verde também oferece dicas para planejar uma viagem sustentável. Há, por exemplo, orientações de como manter uma alimentação balanceada à base de alimentos naturais, preparar uma mala sem excessos e valorizar o que há de melhor na natureza sem prejudicá-la. 

Ouça aqui o ministro do Turismo, Vinicius Lages, falar sobre a importância do Passaporte Verde à divulgação de belezas do Brasil.

Saiba quais são os roteiros que valorizam práticas de sustentabilidade das 12 cidades-sede: Belo Horizonte,Brasília,  CuiabáCuritiba,  FortalezaManausNatalPorto AlegreRecifeRio de Janeiro, SalvadorSão Paulo

*Fonte: http://www.turismo.gov.br/turismo/noticias/todas_noticias/20140610_2.html

Empresários esperam que Copa gere imagem positiva

Os benefícios de uma Copa do Mundo para o setor de turismo no Brasil podem ir muito além dos ganhos obtidos durante o evento, caso o Brasil aproveite a oportunidade e se torne um dos principais polos turísticos do mundo. Para que essa expectativa e os investimentos feitos se justifiquem é fundamental que, ao deixar o país, os visitantes levem consigo uma imagem positiva da viagem. Na opinião de representantes dos setores hoteleiro, de alimentação e de agências de viagens consultados pela Agência Brasil, essa é a melhor propaganda para novos turistas. Além disso, boas lembranças estimulam o retorno daqueles que vierem ao Brasil para participar do maior evento do futebol mundial.

Segundo o Ministério do Turismo, 3,7 milhões de turistas brasileiros e estrangeiros se deslocarão pelo país no período da Copa. Desse total, 600 mil devem vir do exterior. A estimativa é que esses turistas gastem cerca de R$ 6,7 bilhões durante o período no país. Para dar conta da demanda, hotéis e restaurantes tiveram de fazer investimentos, tanto nas estruturas como na contratação e capacitação de profissionais.

Só os hotéis associados ao Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil (FOHB) – entidade que representa redes hoteleiras, nacionais e internacionais presentes em 130 cidades brasileiras – investiram mais de R$ 7 bilhões no setor, o que resultará na contratação direta e indireta de 600 mil empregados até 2016.

Presidente da Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação (FBHA), Alexandre Sampaio diz que os setores representados pela entidade estão preparados para a demanda da Copa e que, entre junho e julho, período de realização da Copa, vão contratar cerca de 37 mil profissionais – 29.930 para empreendimentos de alimentação fora do lar e sete mil no setor de hospedagem.

De acordo com a FBHA, o percentual de ocupação de estrangeiros nos hotéis varia entre 35% e 60% do total no período de jogos. Os países que mais demandaram bloqueios (reservas feitas a partir de agências de viagens) foram Estados Unidos, Argentina, Espanha e Inglaterra.

“A rede hoteleira existente hoje, a partir dos incentivos a novas construções, retrofits [modernização de estruturas, mas sem descaracterização da arquitetura] e ampliações, permitirá acomodar todos os turistas e visitantes que recebermos, nacionais e estrangeiros, para variados tipos de oferta de preço, qualidade de acomodações e estrutura de serviços. Os índices de ocupação, em hotéis de três a cinco estrelas, têm variado em todo o Brasil, porém, nos dias de jogos, os meios de hospedagem ficarão lotados”, disse Sampaio à Agência Brasil.

Segundo o vice-presidente da Associação Brasileira de Agências de Viagens (Abav), Edmar Bull, é natural que se verifique elevação de preços em qualquer localidade que sedie um evento do porte de uma Copa do Mundo, até pelo impacto que tais eventos causam na relação oferta e demanda durante o período de jogos. “No caso do Brasil, as tarifas relacionadas ao setor turístico sofreram, inicialmente, aumento correspondente às expectativas geradas pelo megaevento. Contudo, no último mês de abril, quando a organização da Copa devolveu uma série de apartamentos anteriormente bloqueados, observamos uma queda de preço nas diárias hoteleiras”, disse Bull.

O próprio governo, que meses atrás havia manifestado preocupação com a possibilidade de aumentos exagerados nos preços das diárias de hotéis, tem se mostrado mais otimista. “Há uma indicação da queda dos preços de hospedagem e passagens. A partir do momento que as companhias começaram a desbloquear essas vagas, os preços dos leitos e das passagens começaram a cair,” disse em maio à Agência Brasil o ministro do Esporte, Aldo Rebelo.

“Os investimentos privados no setor de hospedagem têm foco não apenas na Copa do Mundo, mas também no mercado nacional, seja o corporativo ou de lazer. Haverá capacidade de compra para todos os bolsos”, informou Sampaio ao defender preços acessíveis para incentivar o turismo no país.

Para Edmar Bull, “é fundamental que o evento resulte em uma boa imagem do destino Brasil, uma vez que estaremos ocupando o noticiário internacional com extraordinário destaque. Aspectos como mobilidade urbana, segurança e sinalização turística são fatores que merecem especial atenção. Sem dúvida, a visibilidade midiática que a Copa do Mundo proporciona aos destinos turísticos brasileiros constitui, para as agências de viagens, o principal legado do evento”, disse o dirigente da Abav.

De acordo com o Fohb, grandes eventos mundiais como a Copa do Mundo trazem oportunidades momentâneas e futuras para toda a cadeia produtiva do turismo. “Mas o grande benefício é a visibilidade do Brasil como destino turístico. Este é o maior legado que um país-sede pode receber: ser mundialmente reconhecido, entre outras coisas, por sua variedade cultural, belezas naturais, hospitalidade e gastronomia.

No setor de alimentação, a Copa impactará de maneira diferenciada. “Onde houver feriados e pontos facultativos, o serviço do almoço de negócios ou comercial sofrerá grande perda. Por outro lado, o chamado casual dinner [refeição de lazer, social ou de entretenimento], dependendo da localização, terá crescimento de clientela. Além disso, muitos bares terão telões, o que propiciará incremento na clientela”, explicou Sampaio.

Segundo ele, os restaurantes não correm risco de ser surpreendidos por uma demanda maior do que a projetada. “As fábricas de bebidas estão abastecidas e o setor de alimentação fora do lar se preparou [suficientemente] para um possível incremento junto com toda sua cadeia de fornecedores.”

Outro legado está relacionado à capacitação de profissionais nesses setores, o que foi feito em todas as cidades-sede por meio do Pronatec Copa. “Ele propiciou, em todo o país, inúmeros cursos de formação e aperfeiçoamento, inclusive dentro das empresas. Além disso, o Programa Senac de Gratuidade (PSG) complementou essa grade com qualidade e oferta variada. Vários estabelecimentos de alimentação adotaram, também, formações online e presenciais para seus quadros”, disse Sampaio.

*Fonte: http://www.panrotas.com.br/noticia-turismo/copa-do-mundo/empresarios-esperam-que-copa-gere-imagem-positiva_101545.html?pesquisa=1

‘Não permitiremos turismo sexual na Copa’, diz secretário de Segurança

Agentes de segurança de MT foram capacitados para combater exploração.
Várias campanhas de incentivo a denúncias estão sendo feitas.

Combater o turismo sexual está entre as atribuições dos agentes de segurança durante a Copa do Mundo, em Cuiabá. Enfático, o secretário de Segurança Pública de Mato Grosso, Alexandre Bustamante, disse que os turistas que chegarem na capital mato-grossense com essa intenção não serão bem-vindos. “Se o turista vier fazer turismo sexual, não vamos permitir”, declarou. O assunto consta do planejamento de segurança para a Copa.

Os agentes passaram por uma capacitação voltada para a Copa, tendo como foco a exploração sexual, principalmente de crianças e adolescentes. Além do combate à exploração sexual, os profissionais aprenderam sobre operações de emergência e resgate;  tráfico de pessoas e riscos associados ao turismo; gerenciamento de crises e relacionamento com a mídia e bombas e explosivos.

“Estamos preparados para combater todos os tipos de delito, inclusive a exploração sexual”, afirmou o secretário, ao informar que para a elaboração do plano de segurança foram analisadas as últimas quatro Copas, realizadas na França (1998), no Japão e Coréia do Sul (2002), Alemanha (2006) e África do Sul (2010).

O secretário de Segurana Pública de Mato Grosso, Alexasndre Bustamante. (Foto: Josi Pettengill / Secom-MT)
Secretário Alexandre Bustamante.
(Foto: Josi Pettengill / Secom-MT)

As ações do Ministério do Turismo de combate à exploração infanto-juvenil para a Copa do Mundo foi apresentada no mês passado em um evento realizado no Palácio Paiaguás. Na ocasião, o coordenador-geral de Proteção à Infância do órgão, Adelino Neto, comentou sobre o manual do multiplicador voltada à orientação de profissionais do setor e também incentivou o registro de denúncias por meio do disque 100 para evitar abusos sexuais.

Outras ações paralelas vêm sendo desenvolvidas em Cuiabá contra esse tipo de crime. Por iniciativa do Sindicato dos Hotéis, Bares e Restaurantes de Mato Grosso, uma campanha foi lançada recentemente e a partir dela os mato-grossenses vão receber na conta de energia uma mensagem sobre a importância de denunciar casos de abuso sexual de crianças e divulgar do disque 100.

Faz parte da campanha a orientação aos funcionários dos estabelecimentos comerciais e a taxistas para que possam identificar e denunciar abusos que venham a ocorrer nos hotéis, restaurantes, bares e táxis.

Além disso, no mês que antecede o evento, a presidente da República Dilma Roussef (PT) sancionou a lei que torna crime hediondo a exploração sexual de crianças, assim como já são considerados os crimes de homicídio e latrocínio. Com isso, o criminoso deverá respeitar o que é previsto no caso da prática de crime hediondo, como o início da pena no regime fechado e com progressão para o semiaberto somente após o cumprimento de, ao menos, 2/5 da pena (ou de 3/5, se for reincidente), e não 1/6 como nos demais crimes.

Plantão
Os conselhos tutelares de Cuiabá também ficarão de plantão no período da Copa para atender esse tipo de ocorrência. Os profissionais vão fazer plantões na região do Bairro Santa Izabel, onde fica o conselho mais perto da Arena Pantanal, onde serão realizados os jogos.

*Fonte: http://g1.globo.com/mato-grosso/noticia/2014/06/nao-permitiremos-turismo-sexual-na-copa-diz-secretario-de-seguranca.html

Brasileiros viram ‘amigos de aluguel’ para acompanhar turistas na Copa

A chef Bárbara Santos, que atua como 'amiga de aluguel' de turistas em São Paulo, com clientes mexicanos (Foto: Bárbara Santos/Arquivo pessoal)

Site reúne pessoas comuns que cobram para mostrar cidade a estrangeiros.
Serviço é procurado por visitantes que querem saber como é a vida local.

Estrangeiros que vêm ao país durante a Copa do Mundo e não conhecem nenhum brasileiro estão recorrendo a um esquema curioso para fazer turismo pelas cidades-sede: “alugar” um “amigo local”.

Criado por uma brasileira, o site Rent a local friend (Alugue um amigo local) promove o contato entre pessoas que vivem em várias cidades do mundo e turistas que querem conhecer o destino sob a ótica de um morador. O serviço é pago, e atualmente há mais de mil “amigos de aluguel” cadastrados em quase 50 cidades de 22 países.

No Brasil, o serviço existe em 16 cidades, sendo que 11 delas são sedes da Copa. A expectativa é que a demanda aumente com a chegada do evento. Até segunda-feira (9), o número de reservas para o período do Mundial havia crescido 236% em relação aos meses de abril e maio. Também houve maior procura de candidatos a “local friends”: 137 pessoas se inscreveram entre maio e os primeiros dias de junho, enquanto em março e abril foram 65.

O site tem amigos de aluguel cadastrados em 22 países (Foto: Reprodução/rentalocalfriend.com)
Site inclui ‘amigos de aluguel’ cadastrados em 22 países
(Foto: Reprodução/rentalocalfriend.com)

Segundo a empresa, para se tornar um “local friend” é preciso “conhecer muito bem a cidade, ser comunicativo e gostar de ter contato com estrangeiros”. Também é necessário ser fluente em inglês e na língua local – quanto mais idiomas a pessoa souber, maior a chance de ser contratada.

“Quanto mais gente diferente, melhor. A ideia é que eu possa passear na Toscana com alguém que entende de vinhos, ou na França com uma pessoa que entende de queijos, por exemplo”, diz a publicitária Danielle Cunha, CEO do site. Segundo ela, a maioria dos “amigos de aluguel” busca no serviço uma forma de complementar a renda nas horas vagas. “E é também uma forma de conhecer gente, de trocar conhecimentos”, destaca Danielle.

O preço cobrado pelo serviço é fixado pelo próprio “local friend”. O valor médio do passeio de 4 horas é de US$ 149 (cerca de R$ 330). O site fica com 30% de cada transação e cobra uma anuidade de US$ 100 (cerca de R$ 220) das pessoas cadastradas.

A maioria dos clientes tem entre 30 e 45 anos. Brasileiros, americanos, ingleses, alemães e portugueses são os que mais procuram o site.

Churrasco de família

Bárbara com clientes indianos e ingleses em um piquenique; ideia é mostrar o dia a dia do destino aos estrangeiros (Foto: Bárbara Santos/Arquivo pessoal)
Bárbara levou uma turista indiana e um inglês para um piquenique com os amigos em São Paulo; ideia é mostrar o dia a dia da cidade aos estrangeiros (Foto: Bárbara Santos/Arquivo pessoal)

O tipo de passeio que será feito é combinado com cada turista. Há aqueles que têm interesse em temas específicos – conhecer mercados gastronômicos ou fazer um tour de compras, por exemplo. Outros deixam a decisão a cargo do “amigo de aluguel”.

Alguns querem apenas conhecer o estilo de vida de quem mora no destino e pedem para ser incorporados à rotina. Danielle, por exemplo, já levou uma americana para sair com seus amigos no Rio de Janeiro, onde reside. “Ela já tinha agendado um tour para o Cristo, mas queria conhecer o estilo de vida dos cariocas e me pediu que a levasse aos lugares que eu frequento”, conta.

Uma vez uma americana me disse que queria conhecer o dia a dia dos brasileiros, e eu ofereci que ela me acompanhasse a um churrasco da minha família” Bárbara Santos, ‘amiga de aluguel’.

Em São Paulo, a chef de cozinha Bárbara Santos, de 27 anos, que atua há 1 ano e meio como “amiga de aluguel”, revela que recebe pedidos parecidos. “Uma vez, uma americana me disse que queria conhecer o dia a dia dos brasileiros, e eu ofereci que ela me acompanhasse a um churrasco da minha família”, afirma.

Devido à descrição do seu perfil, Bárbara costuma receber gente interessada em gastronomia e diversão noturna. “Gosto muito de sair à noite, ir a festas. Quem me procura são pessoas parecidas comigo. Fico amiga delas depois, a gente continua trocando informações”, diz a jovem, que foi convidada até para um casamento do filho de um casal de clientes na Índia.

Bárbara costuma receber pedidos a cada uma ou duas semanas, dependendo do mês, e as ofertas vêm principalmente de canadenses, americanos, peruanos e colombianos. Para o período da Copa, a chef de cozinha afirma que a procura aumentou: já tenho 11 dias reservados para tours.

Diferenças
O site Rent a local friend foi criado em 2010 pela carioca Alice Moura, que morava em Lisboa e costumava levar amigos e conhecidos para passear pela cidade. Com o aumento da demanda, ela resolveu ganhar um dinheiro extra com a atividade e acabou criando uma rede com outras pessoas que queriam oferecer o mesmo serviço ao redor do mundo.

O guia tradicional (…) vai saber dizer quando algo foi fundado, vai levar as pessoas aos lugares mais conhecidos. Já o ‘local friend’ vai fazer um passeio personalizado, mais livre, espontâneo” Danielle Cunha, CEO do site.

Segundo Danielle Cunha, CEO do site, o “amigo de aluguel” é muito diferente de um guia turístico convencional. “O guia tradicional tem uma formação, um conhecimento histórico. Ele vai saber dizer quando algo foi fundado, vai levar as pessoas aos lugares mais conhecidos. Já o ‘local friend’ vai fazer um passeio personalizado, mais livre, espontâneo”, diz.

Para Danielle, o fato de existirem comunidades como o Couchsurfing, onde é possível contatar um morador do destino sem ter que pagar por isso, não ameaça o Rent a local friend. “Quando não se paga nada, não se espera nada. A pessoa que recebe [o outro] sem cobrar não tem o compromisso de fazer com que o turista tenha a melhor experiência”, aponta.

A CEO acrescenta que o site oferece um seguro que cobre danos morais e materiais, para o caso, por exemplo, de o estrangeiro ser assaltado durante um dos tours.

*Fonte: http://g1.globo.com/turismo-e-viagem/noticia/2014/06/brasileiros-viram-amigos-de-aluguel-para-acompanhar-turistas-na-copa.html

Lançamento do Guia 4 Rodas – Foz do Iguaçu e Compras no Paraguai e Argentina

A Gestão Integrada do Turismo de Foz do Iguaçu realizou um happy hour de lançamento da versão 2014 do “Guia 4 Rodas – Foz do Iguaçu e Compras no Paraguai e Argentina”, na última quinta-feira, 29 de maio, no Hotel Bella Itália.

A versão é impressa e também para aplicativos IOS, Android e PC.

A nova edição do Guia e os aplicativos gratuitos são resultado de uma parceria da Itaipu Binacional com a Editora Abril.

Para o download da versão em português do Guia Quatro Rodas Foz do Iguaçu & Compras no Paraguai e Argentina, pode-se acessar a plataforma Iba, da Editora Abril: https://www.iba.com.br/revista-digital/Guia-Quatro-Rodas-Dezembro-2013-Foz-do-Igua%C3%A7u-e-Compras-no-Paraguai-e-Argentina-03063a1409159346c90893740c7b9339. Ali estão os aplicativos para plataformas Windows PC, iPad, Tablets Android, iPhone, Smartphone Android e Mac OS.

A versão em inglês pode ser encontrada na Apple Store (https://itunes.apple.com/br/app/foz-do-iguacu-travel-guide/id879548228?mt=8) e na Samsung Store.

 
*Fonte: http://iguacunoticias.blogspot.com.br/2014/06/lancamento-do-guia-4-rodas-foz-do.html

Experiências de integração turística regional serão apresentadas durante o dia 05 e 06 de junho

Durante mais uma edição do Festival Internacional do Turismo das Cataratas será realizado um evento para discutir projetos e a integração regional em diferentes níveis no Fórum da Mercocidades, nos dias 05 e 06 de junho.

A realização deste evento é promovida pela Fecomercio (Federação do Comércio do Paraná) e Instituto Polo Internacional Iguassu – POLOIGUASSU, os trabalhos começarão com a apresentação da Rede de Mercocidades, uma rede que é constituída por governos locais do Mercosul e tem um trabalho em destaque com os processos de integração.

Atualmente a rede está ganhando novos membros, ela já conta com 289 cidades associadas da Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai, Venezuela, Chile, Bolívia, Peru e Colômbia, onde vivem mais de 80 milhões de pessoas.

Boas experiências – Bons exemplos de desenvolvimento regional serão apresentados como o trabalho realizado na região trinacional que envolve Brasil, Paraguai e Argentina pelo Instituto Polo Internacional Iguassu, e suas ações para o desenvolvimento de áreas ligadas ao setor turístico da região. Baques Vladimir Carvalho Sanna irá apresentar o trabalho com os circuitos turísticos nas cidades histórias de Minas Gerais através do Turismo Cultural. Já Jorge Rodríguez, coordenador da secretaria técnica permanente das Mercocidades abordará os trabalhos e experiências da instituição desde 1995. Logo após Darci Piana, Presidente do Fecomércio-PR fará uma apresentação sobre o tema da Integração Regional

Criação do Instituto Internacional das Mercocidades – Uma das discussões em pauta está a criação de uma entidade que faça o intercâmbio de experiências e opiniões, o chamado Instituto Internacional das Mercocidades, que será proposto na Carta Iguaçu como uma lista de propostas e desenvolvimento do compromisso para o trabalho e desenvolvimento em conjunto deste projeto. 

*Fonte: http://poloiguassu.org/index.php/pt/2011-05-02-12-33-35/349-reuniao-das-mercocidades-sera-realizada-no-festival-do-turismo-das-cataratas